Como ser modelo plus size: 19 verdades cruéis que você deve saber antes de entrar pra profissão

Olá queridas, antes que você comece a ler o texto, deixo bem claro que meu objetivo NÃO é fazer com que você desista do seu sonho de ser modelo plus size, nem te desmotivar na vida. A questão é que eu tenho visto muita, muita mesmo, menina querendo se tornar modelo plus size, mas a maioria (não todas!) nem sabe do que se trata a profissão direito ou acredita que a profissão é só coisa boa, glamour e paparicação. Pois bem, eu NÃO sou modelo plus size, mas convivo com muitas modelos plus size há mais de 7 anos, então resolvi reunir aqui algumas coisas sobre a profissão que ninguém conta para uma mulher que quer ser modelo – e ela acaba passando por essas desagradáveis surpresas.

Eu poderia ser BEM dura e dizer: se você está na dúvida se você pode ou não ser modelo plus size, então provavelmente você não pode, porque nessa profissão não tem muito espaço pra dúvidas e inseguranças. Mas para você entender por que eu digo isso, eu vou explicar em 19 itens para o que você tem que estar PRE-PA-RA-DA antes mesmo de ir procurar uma agência, OK?!

 

19 verdades cruéis que ninguém conta para quem quer ser modelo plus size 

Fluvia-Lacerda-de-lingerie-modelo-plus-size-14b

1. Não existe um casting amanhã e você não precisa mandar as fotos hoje

Essa é a desculpa mais antiga das agências de modelo (magras ou gordas). Com o objetivo de pressionar a aspirante à modelo que ainda está em dúvida, a agência liga dizendo que tem uma seleção para um job muito grande e que vai pagar bem, mas que para você participar é necessário pagar a taxa da agência e fazer o book profissional “ATÉ AMANHÔ (ou alguma data muito próxima) e aí vem o segundo golpe…

 

2. As fotos de um book profissional não precisam seguir o padrão da agência

A taxa de agenciamento pode até ser baixa, mas a agência vai dar um jeito de tirar mais dinheiro da aspirante a modelo plus size cobrando em outra coisa como o book, por exemplo. Eles fingem que não se importam se você fizer em outro lugar, mas tentam te coagir com frases como: “a senhora pode até fazer com um fotógrafo, mas as fotos têm que ter um padrão profissional que a gente garante aqui, sabe, para você ter mais chances e blá blá blá”, e inventam qualquer desculpa para você acreditar que as fotos que eles farão na agência (e te cobrarão 3X o preço real) é realmente melhor do que a que a sua amiga fotógrafa vai ter fazer por um precinho camarada. E para ser sincera, algumas fotos mais bem tiradas, mesmo que não sejam a coisa mais profissional do mundo, já são o suficiente para a marca ver se quer você ou não em uma campanha, concorda? 

 

3. As agências sérias não saem por aí fazendo casting no Facebook

Embora você ache as selfies no espelho do banheiro e as fotos da balada muito incríveis, uma agência séria não sai atirando para todos os lados nas redes sociais (até mesmo porque é super difícil encontrar uma Fluvia Lacerda no meio de tantos perfis). Pode até acontecer, é claro, mas desconfie ao menor sinal de malandragem e confie nos seus instintos.   

 

4. Não é porque você é bonita que vai funcionar como modelo

Eu sou contra e acho péssimo, mas infelizmente o mercado de modelos (mesmo o de modelos plus size) ainda tem um padrão. Eu, por exemplo, não sou modelo. O mercado pode até contar com diversidade em cor de pele e textura de cabelo, mas, seja como for, todas as modelos têm que ter o corpo proporcional, no formato de ampulheta, sem flacidez, com pouca celulite e, de preferência, com mais de 1,67m de altura. O mercado plus size também considera a modelo um cabide e aparentemente esse é o tipo de corpo que mais se encaixa nas roupas que são produzidas. É claro que eu, que defendo a beleza em todas suas formas, acho um absurdo  e por isso que eu fico tão revoltada, mas a verdade é dura e o mercado é assim mesmo. Então, claro que vale lutar pelo seu lugar, porque toda regra tem exceção, mas saiba que AINDA existe um padrão no mercado de modelo plus size e você vai ter que enfrentá-lo.

look-com-calça-de-moletom-plus-size-ensaio-kelvin-yule-10

5. Não é porque você gosta de tirar selfie que você tem aptidão pra fotos profissionais

Eu já disse aqui no blog algumas vezes que ser modelo plus size é uma profissão e que como qualquer outra profissão exige aptidão e uma série de características para ser exercida. Não é só tirar fotos! Você tem que ser pontual, amável, paciente, simpática, educada, agilizada, não pode ter preguiça ou reclamar de cansaço e, peloamordesantocristo, TEM que ter um repertório vasto de poses. Além do corpo dentro do padrão do mercado, ainda tem que ter pele firme, pouca celulite, unhas e cabelos bem cuidados, hidratados, brilhantes e bem pintados, pele sem espinhas, marcas ou manchas e tem que estar SEMPRE com unhas feitas, pele hidratada e depilada. Claro que o Photoshop resolve muita coisa na hora de finalizar a campanha e algumas marcas levam cabeleireiros e manicures para o shooting, mas nem todas as marcas têm verba para bancar um extreme make over. É um absurdo e foge totalmente do propósito da beleza natural, mas é a verdade. 

 

6. As agências não são garantia de trabalho

Você pode ser agenciada, mas isso não quer dizer que você vai se tornar uma modelo plus size – inclusive conheço meninas que são agenciadas há anos e NUNCA tiveram um trabalhinho sequer arranjado pela agência. Ou seja, você pode pagar o que for e acabar nunca trabalhando como modelo. 

 

7. É claro que a agência vai falar que você tem perfil

E você pode ter perfil mesmo, mas pode não ter nada a ver com o que o mercado quer e a agência não vai te contar, afinal ao não te dizer ela leva o seu dinheiro sem o compromisso de te devolver. Ou seja, você paga, ela mantém seu nome na lista de agenciados, mas nunca nenhuma marca pode te chamar pra fotografar. Dessa forma a única que perde é você. Tenha senso crítico, veja se você tem aptidão e se esse é realmente um sonho que vale a pena investir.

 

8. Por falar em investimento, o salário NÃO é milionário

É claro que se você é uma modelo super top, que já está há anos no mercado e toda marca sonha em te ter no catálogo, você vai poder cobrar um valor mais alto. No entanto, até chegar em patamar avançado da carreira, você vai ter que praticamente pagar para trabalhar – entre fazer as unhas, depilação, pagar condução ida e volta e bancar seu almoço você pode realmente gastar mais do que vai ganhar. Mas calma, porque todo começo de carreira de modelo é assim!

 

9. Você vai ter que lidar com gente puxando seu tapete

Se você vê as modelos como todas colegas de profissão que se apoiam e se amam, saiba que esse é um dos motivos de decepção com a carreira que eu mais ouço. Por existir muita concorrência e até por formar panelinhas com as pessoas que você mais se identifica, dentro do meio plus size também existem conflitos e também tem gente tentando te sabotar. Quem disse que era um mundo mágico?

 

10. Você vai ter que lidar com marca mão de vaca e com propostas absurdas

A marca pode ser linda por fora e podre por dentro! Existem marcas que apesar de poderem pagar, oferecem uma mixaria pra modelo, tem que ter malícia e firmeza para bater o pé no seu valor! Outro grande mistério são as marcas que oferecem permuta em roupas no lugar de dinheiro. Cuidado! Apesar de muito legais, as rupas ainda não pagam as contas de água, luz e telefone.

 

11. Você tem que ter uma carreira com carga horário flexível além de ser modelo plus size

Ou alguém para te sustentar enquanto o sucesso não vem, já que os salários são baixos e você vai ter trabalhos que vão durar longas tardes, é necessário ter tempo e dinheiro. Ou seja, o investimento da carreira não é só ao pagar a agência.

Alessandra Linder, a modelo que foi humilhada pelo booker
Alessandra Linder, a modelo que foi humilhada pelo booker

12. Ser modelo plus size não resolve problemas de autoestima

Não sei quantos e-mails já recebi de mulheres incríveis que queriam uma chance de ser modelo plus size para dar um up na autoestima. É verdade que se ver linda em uma campanha famosa é uma grande massagem no ego, o problema é que até chegar lá você vai ter que comer o pão que o diabo amassou, na mão de tudo quanto é gente ignorante e sem noção. E nem estou falando no começo, quando você ainda não é ninguém na fila do pão, estou falando SEMPRE, veja aqui o caso da modelo famosa e super conceituada no mercado, a Alessandra Linder, que foi chamada de gorda, leitoa e arrombada por um booker sem noção. Tem que JÁ ter uma autoestima MUITO fortalecida para conseguir lidar com as críticas pesadas ao seu instrumento de trabalho, que é o seu corpo. Existem mil jeitos de fazer fotos e se sentir diva sem precisar fazer disso uma profissão, ok?! Você pode criar um blog de look do dia ou um Instagram de inspirações, para começar 😉

 

13. Não basta estourar em uma temporada, você tem que se manter no topo

Vide a primeira modelo plus size transsexual, a Renata Montezine, que foi a sensação do último Fashion Weekend Plus Size e que é uma linda, mas que por conta do preconceito do mercado acabou perdendo muitos trabalhos e campanhas – e que agora infelizmente está quase desistindo da carreira.

 

14. Não tem tanto glamour quanto parece

Você imagina que a modelo plus size fica sendo abanada naquele cenário maravilhoso de fundo e que antes do ensaio ela ficou comendo frutas, deitada em um SPA, com pepinos nos olhos e 2 gostosões lhe fazendo massagem… SÓ QUE NÃO! Antes do ensaio, provavelmente ela dormiu toda torta em um voô ou em um longo percurso de ônibus até chegar na cidade onde seria o ensaio e nem deu tempo dela ajeitar as costas que já veio alguém da produção lhe arrancando a roupa e lhe metendo um monte de outras para fazer teste de luz e a maquiagem, enquanto outra pessoa puxa seu cabelo em um penteado que não tem nada a ver com você, pouco antes de começar uma longa jornada de 10 horas com adicional de 2 sem multa, em que você vai ficar subindo e descendo de sapatos que não cabem nos seus pés, mas que você tem que entrar mesmo assim, e ainda sair sorrindo e linda em um clique de um fotógrafo mal educado que vai ficar te fazendo caretas.  Ufa! Claro que nem todos os ensaios são assim e tem uns que são REALMENTE muito divertidos com uma equipe dedicada e gente muito simpática, mas é sempre bom saber que tem o lado “perigoso” nisso e que você vai ter que aguentar sem reclamar porque esse é o seu trabalho.

 

15. A concorrência é alta e NÃO tem espaço para todas

Gente, é um fato que metade da população brasileira está acima do peso considerado ideal, mas isso infelizmente ainda não significa que metade das lojas do shopping oferecem tamanhos grandes. O mercado plus size ainda é recém-nascido aqui no Brasil e são poucas marcas que fazem moda boa, com investimento em campanhas bonitas e com modelos profissionais. O que significa que o espaço para modelos plus size é bem pequeno e a concorrência é altíssima com mulheres que já estão no mercado há anos e entendem muito bem da profissão, o que nos leva ao próximo item…

 

16. Não pode só gostar de tirar fotos, TEM que entender o mercado

Você vai concorrer com mulheres que estão inseridas no mercado há anos, que conhecem donos de lojas e têm relacionamento pessoal com eles. Ou seja, suas chances aumentam MUITO se você entender e acrescentar alguma coisa a mais para a campanha ou para a coleção de alguma marca. Seja interessada, pesquise sobre o mercado, o que falta, como vão as tendências, qual é o histórico da marca, as parceiras, o que os blogs falam dela, o que não falam, etc. É sempre bom provar que além do rosto bonito da campanha, você é uma pessoa esforçada e que entende o que faz.   

modelo-plus-size-19-coisas-para-se-tornar-uma-elegance-style-has-no-size

 

17. Você tem que ter um bom vocabulário de particularidades da profissão (e um bom inglês)

Shooting, trend, spring/summer, sessão, ensaio, Photoshop, blur, set, booker, casting, produção, prova, BG… Não entendeu metade dessas gírias? Comece a estudar, amiga… Você vai precisar delas pra sobreviver no universo das modelos plus size!

 

18. Você tem que ter um diferencial

Observe as modelos plus size mais famosas e veja no que elas se diferenciam de outras mulheres que vestem acima de 46. Te garanto que todas elas têm alguma coisa que faz com que se destaquem entre tantas outras, seja o jeito de olhar e sorrir ou o jeito de posicionar o corpo. Pense sozinha: o que te faz diferente de outras mulheres plus size? Não existe uma regra, infelizmente, mas se você não conseguir achar o que te faz diferente, como você vai conseguir mostrar isso pra marca?

 

19. Você não pode ter vergonha!

Você vai ficar pelada em um estúdio com mais de 20 pessoas, entre mulheres, homens, gays, héteros, bis e trans. Produtores vão tirar sua roupa sem que você perceba e vão acabar esbarrando em uma nádega ou em algum dos seus mamilos. Alguém “das modas” vai te olhar com cara feia de preconceito. Você vai ter que fazer cara de santa ou de sexy conforme a fotógrafa pedir e de um segundo para o outro. Você vai ter que fingir que gosta de rock ou que é uma ginasta se precisar. Você vai suar loucamente e vai segurar a vontade de soltar um pum até sua barriga doer. Alguma peça vai ficar pequena, você vai se sentir a mulher mais gorda do estúdio e isso vai parecer horrível na hora. Você vai ter que superar qualquer tipo de vergonha e ninguém vai te ensinar a fazer isso ou vai ter paciência com você. Se você tem vergonha, esse trabalho não é para você.

 

 

 

Bom, gatonas, é claro que como TODA profissão essa também tem o lado bom e o lado ruim e também, como TUDO na vida, existem exceções, mas como eu recebo muuuuitas perguntas de muitas mulheres a respeito do tema acho legal sempre falar um pouquinho. Eu espero que você fique de olhos abertos e não desista dos seus grandes sonhos! Força, mulher ♥

 

Conhece alguma amiga que quer ser modelo plus size? Compartilhe a matéria com ela 😉

 

Por hoje é isso

HUA HUA

BJÓN

Ju Romano

Uma gordinha, de cílios longos e pernas curtas. Defensora da liberdade de ser quem e como a gente é, sempre com muito amor próprio.

No Comments Yet

Leave a Reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>





©2013-2016 Juromano - Todos os direitos reservados