Warning: file_put_contents(): Only 0 of 10 bytes written, possibly out of free disk space in /srv/users/serverpilot/apps/blog-juromano/public/wp-content/plugins/merge-minify-refresh/merge-minify-refresh.php on line 564

Andressa Urach: até onde as mulheres vão atrás dos padrões?

O Brasil que acompanha a vida dos famosos está dividido: metade preocupado com o estado da Andressa Urach – a vice Miss Bumbum – e outra metade crucificando a menina por ter aplicado o tal do hidrogel nas coxas – procedimento que agora levou a “modelo” ao estado grave na UTI. Só se fala disso no universo das celebridades. Mas ninguém está apontando a verdadeira discussão: até onde a mulher é levada para atender certos padrões?! Até onde ela vai – e tem o caminho livre para isso – para agradar os outros, chamar atenção para si, ser vista?! 

Há 5 anos Andressa Urach fez um procedimento de preenchimento nas coxas, para que elas ficassem mais grossas, claramente indo contra a formação natural de seu corpo, que apesar de toda a musculação, não ficou com coxas ultramusculosas. Aí não contente com o resultado máximo da academia, ela resolveu se submeter a um processo cirúrgico, invasivo e perigoso, com uma substância que é permitida apenas para pequenas correções (em até 2 ml) e não para “preencher” grandes áreas como glúteos, coxas e seios. Mas e aí, de quem é a culpa? É do médico sem ética. É minha. É sua. É da Urach. É de todas as mulheres e de todos os homens que ficam babando nesses corpos claramente antinaturais, conquistados a base de muitas cirurgias e muitas dietas malucas. A culpa é de todo mundo que é conivente com ditadura estética de corpos perfeitamente esculpidos custe o que custar.

andressa urach caso grave
Achei difícil achar uma imagem em que ela não estivesse hiper sexualizada. Até onde as mulheres irão para se tornarem apenas um símbolo sexual? Vale a pena?

O que aconteceu com Andressa Urach poderia ter acontecido com você

Sim, em escala menor o que aconteceu com essa moça acontece todos os dias nas casas de milhares de pessoas. Mulheres se submetendo a situações ridículas para entrar nos padrões, se encaixar em uma “turma”, aparecer. Meninas parando de comer, vomitando, fazendo mais exercícios que os seus corpos aguentam, prejudicando o seu crescimento na adolescência atrás da dieta da moda e mais um monte de outras situações que não só podem destruir a autoestima delas para o resto de suas vidas, como também pode prejudicar a saúde de forma irreversível.

O perigo existe a partir do momento em que se perde a noção do que é real e possível e se passa para o nível da fantasia em busca de um ideal surreal. A pessoa que não é brecada e aconselhada nesse caminho (como Andressa não foi por seus parentes, nem pelos médicos irresponsáveis que fizeram o procedimento com hidrogel) perde a noção de racionalidade e passa a viver emocionalmente seus desejos estéticos, em busca sempre de um ideal além do que já existe. Essa pessoa sai da realidade, então tudo que aqui já existe não é e nunca será o suficiente, em um ciclo eterno de modificações até que algo mais grave aconteça – como ir parar na UTI ou até ficar tão plastificada a ponto de ser irreconhecível.

Alguém precisa intervir por essas pessoas. É preciso reeducar as mulheres, fazer com que elas tenham mais racionalidade sobre os seus atos, mais responsabilidade em cima de suas decisões e, por favor, fazer com que elas reflitam sobre tudo que influencia os seus corpos. Nós somos e sempre fomos condicionadas a tratar o nosso corpo como se ele fosse um objeto que as pessoas têm que admirar, gostar, desejar e nossa responsabilidade mínima é fazer com que ele esteja sempre nos trinques. Sempre fomos condicionadas a permitir que o nosso corpo fosse objeto de avaliação. Mas o que queremos para a próxima geração de mulheres? Queremos ver nossas filhas deitadas em uma cama de UTI ou chorando em frente ao espelho? Queremos que nossas filhas tenham vergonha de serem o que são? Queremos que elas percam mais tempo cuidando do que tem por fora do que alimentando o que tem por dentro (que é muito mais rico e cheio de possibilidades)? Eu não quero ver minha filha rodeada de futilidades, crianças que só pensam em seus corpos, que não conseguem se concentrar no aprendizado porque falta açúcar no sangue… Eu não quero ver minha filha crescendo com meninas que querem ser “gostosas” para “arranjar um bom marido”. Ao contrário. Eu quero uma próxima geração de mulheres que tenham suas próprias conquistas, que ganhem seu próprio dinheiro, tenham poder sobre seus corpos e que, se casarem, que o façam porque encontraram um parceiro(a) que vale ter do lado para o que der e vier, um amigo que dá apoio suporte e compartilha os seus medos e desejos e que, acima de tudo, não cobre dela ser nada além do que ela é e como ela é.

 

Parece impossível agora? Pois é… Mas se a gente começa a luta e espalha isso aos 4 cantos, as coisas começam a mudar. Eu ouço relatos de meninas que passaram a pensar diferente sobre seus corpos depois de começarem a ler o blog. Perderam encanações, melhoraram autoestima, voltaram a sorrir em frente ao espelho. Então, essa luta é minha, é sua e de todas as mulheres, porque queremos uma geração de mulheres evoluídas e não de escravas dos padrões vigentes (sejam eles quais forem).

 

Enfim, falei muito nesse texto, mas acho que é uma discussão muito válida e que deveríamos espalhar para que todas as mulheres lessem e refletissem sobre o que as motiva de verdade quando elas olham e odeiam seus corpos. Eu espero que você esteja nessa luta comigo e vamo que vamo 😉

 

 

Por hoje é isso e desejo, de verdade, melhoras a Andressa Urach que é apenas uma borboleta presa no furacão desordenado de cobranças e padrões que vivemos hoje.

 

BJÓN

 

 

Ju Romano

Uma gordinha, de cílios longos e pernas curtas. Defensora da liberdade de ser quem e como a gente é, sempre com muito amor próprio.

2 Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>





©2013-2016 Juromano - Todos os direitos reservados